Para integrar estudantes, professora traz novo esporte ao município

Tapembol foi criado em Minas Gerais em 2007 e tem como objetivo a inclusão social

Na busca por atividades que incluíssem não apenas um gênero e diversas faixas etárias, a professora de Educação Física Tânia Ceccon Zanella conheceu o tapembol. Segundo ela, a ideia de trazer o esporte para Maravilha veio após uma pesquisa na internet. “Logo me interessei e resolvi buscar mais informações com o professor que criou o jogo”, lembra. Depois de trocar mensagens com Marco Aurélio Cândido Rocha, Tânia recebeu o manual do esporte, além de adquirir duas bolas oficiais. O preparo até ensinar o jogo para os alunos da Escola de Ensino Fundamental Juscelino Kubitschek de Oliveira durou meses e a aula inaugural foi realizada durante a comemoração ao Dia do Estudante (11 de agosto).

Conforme Tânia, Maravilha foi a segunda cidade a receber o esporte em Santa Catarina, sendo Ibirama a pioneira. O tapembol foi originado no município de Caité, Minas Gerais, em 2007. “O jogo é muito interessante porque facilita a participação efetiva de todos e gera inclusão social justamente por permitir que todas as pessoas, independente de privações físicas ou idade, possam participar”, explica.
Agora ela pretende trazer o criador ao município para oferecer um curso gratuito para os professores das demais escolas. “O esporte já foi inserido de várias formas em mais de 23 universidades brasileiras e uma em Portugal. Queremos trazer o professor para a qualificação ainda em outubro deste ano”, destaca.

COMO FUNCIONA

Professora pretende trazer o criador da modalidade ao município para oferecer curso gratuito.

21Foto: Diana Heinz/ O Líder

A modalidade consiste, basicamente, em dar tapas na bola, trocando passes até que seja feito um gol. Seu regulamento permite até dois toques por vez, limitando em um ou dois o contato com a bola antes que ela seja passada para outro companheiro, fazendo com que cada um precise de todos.

O jogo é realizado dentro da quadra que é utilizada no futsal e as equipes são compostas por seis participantes de cada lado, sendo um goleiro, dois na defesa, um central, um apoio direito e um apoio esquerdo. O tapembol é praticado com uma bola própria para crianças e outra para adolescentes e é proibido chutá-la e utilizar as mãos fechadas.

Clique aqui para acessar a matéria no site do Jornal O LÍDER.

Deixe um comentário sobre o Tapembol